segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

CRÍTICA DO LIVRO '50 TONS DE CINZA'

Livros eróticos podem aguçar sua criatividade e melhorar sua vida sexual Foto:  / Getty Images

Um dos grandes sucessos de 2012, o livro '50 Tons de Cinza' passou a virada de ano ainda como um dos mais vendidos no país. Agora acompanhado por duas continuações, o livro ainda desperta a curiosidade de muita gente. Confira abaixo a crítica do livro segundo a ótica do Outros 300.


'50 Tons de Cinza' - Um fenômeno do marketing
Livro é muito abaixo do que sua fama sugere


Marketing. Essa é a palavra que mais consegui encontrar para definir o sucesso de '50 Tons de Cinza' livro da britânica E. L. James. Isso porque gastei algum tempo de minha vida lendo o livro e posso garantir sem medo de errar: Já li muito, mas muitos mesmo, livros melhores - e mais picantes - do que esse.

Contudo vivemos numa época em que uma boa jogada de marketing aliada a uma posterior propaganda boca a boca faz toda a diferença. Pesa a favor também a surpreendente coragem da editora Intrínseca em lançar uma obra erótica, sadomaso, por sinal, em tempos de repressão sexual e politiquismos corretismos exacerbados.

Contudo esta redondamente enganado quem afirma que '50 Tons' é o primeiro livro genuinamente erótico feita para as mulheres. Sem me esforçar muito me lembro de títulos como os clássicos 'Madame Bovary' de Flaubert, 'A Casa dos Budas Ditosos' de João Ubaldo e outros mais atuais como '100 Escovadass Antes e Ir Para a Cama' de Panarello e 'Uma Sedução por Semana' de Herbert. Todos anteriores ao livro de James e mais eróticos também.


O livro

84 páginas. Esse é o número de laudas que a leitora de '50 Tons' vai ter que aguardar até o primeiro beijo do casal protagonista. E sexo? Sim minhas caras, só na página 110! Para um livro que, antes de tudo, se diz erótico, termos de aguentar tanto tempo por isso soa, no mínimo, incoerente. Até imagino a cara de desanimo das leitoras ao folhearem as primeiras 83 páginas da trama (quantas será que irão desistir de ler ou pular até as páginas com as putarias?).

O livro, por sua fama, deve ater a atenção de leitoras eventuais, aquelas que não tem o hábito  contumaz de ler e, para elas, o livro pode efetivamente soar sensual, ou, perdoe o termo, melar a calcinha, como ouvi algumas amigas dizerem.

Mas a leitora que tem o hábito constante de ler vai perceber o contrário. O livro não é sensual, pois trata o sexo de forma superficial, além de ter uma narrativa das cenas de sexo em si não tão detalhadas como pede uma trama como essa.

A turminha do livros românticos (Sparks, Cast, Roberts e outros) em algum momento já escreveram cenas que poderiam melar a calcinha com muito mais facilidade.

A trama

'50 Tons' narra a estória de Anastasia Steele, uma universitária de 21 anos que conhece o bonito e bem sucedido empresário Christian Grey durante uma entrevista. Christian se interessa por Anastasia que, por sua vez, se apaixona por ele.

Apesar de atraído, Christian quer somente manter uma relação sadomasoquista com Anastasia que, por estar apaixonada por ele, aceita. A partir de então Grey e Steele mergulham num mundo de sedução, dominação e submissão, regados a cenas tórridas de sexo.


Leia também a crítica do livro 'Toda Sua'

A crítica

O livro é uma droga! Chato, enrolado, lento, pouco detalhista e nem um pouco original. A leitoras com mais bagagem literária nem excitar vai. Não são poucos os pontos falhos do livro.  

A trama segue o esquema de "contrariedade" padrão. Neste caso Grey é rico e Steele pobre (poderia ser nativo X forasteiro, velho X novo, feio X bonito)... Junta-se a isso o fato de Grey ser experiente e Steele não.

Anastasia Steele é "feia" (segundo a ótica da personagem). É engraçado como em nenhum livro de James, Sparks ou Meyer temos uma protagonista efetivamente bonita. Será que é porque grande parte do público que lê as estórias também não se acha bonita ou especial e se imagina pegando um bonitão e rico igual a mocinha do livro? Será?  

O atenuante é que Steele é uma personagem chata, bobinha, sem graça e que consegue ter a façanha de ser ainda mais idiota do que a Bella do Crepúsculo, por exemplo. E.L.James também força a barra, pois uma universitária do curso de jornalismo, amiga de uma "devoradora de homens", com 21 anos que ainda é virgem e praticamente "bv" é dose de acreditar.

Logo, claro, ela se apaixona por Christian Grey, um cara lindão, podre de rico e fodião de primeira. A descrição do personagem de Christian, contudo, a partir daí, também não é das mais atrativas. Grey é dono de uma empresa. Ele trata a todos com indiferença, não agradece a seus funcionários e não fala "bom dia, obrigado ou coisas do tipo" segundo a personagem. Ele só quer "meter forte", mais uma vez segundo a personagem, e nada mais, além da passar mais de 300 páginas somente a humilhando para sentir prazer. Ele não quer casar, nem namorar e nem amá-la.  


Confira a matéria. 'Quem conto um conto...' humor na dose certa

Percebam aí um grande equívoco: James confunde um homem macho, viril, com um sujeito mal educado, canalha, inconsequente e  babaca. Ao melar a calcinha por Christian Grey as leitoras assinam um atestado que é o tipo de homem que lhes interessa, o que eu acredito que não seja. Ou será?

Outro lado até engraçado do livro é o "pudorismo" da qual a autora se vale para narrar a estória. Termos como "lá embaixo", "meus músculos entre as pernas", "fazer sexo com a minha boca" e coisas do tipo são eufemismos para uma trama que exige que palavras de baixo calão sejam empregadas. A palavra "pau", por exemplo, aparece umas 3 ou 4 vezes só no livro. Para um livro erótico isso é meio esquisito e até brochante.

Nem vou me ater a questões técnicas para analisar o livro senão é covardia. A verdade é que '50 Tons' é uma 'Sabrina' ou 'Júlia' (lembra delas?) com técnicas de sadomasoquismo no meio. Você gostava de 'Sabrina' ou 'Júlia'? Se sim então irá melar a calcinha para o livro. Se não, passe longe desta leitura extremamente enjoada.

13 comentários:

  1. Concordo com tudo que você descreveu, e só posso chegar numa conclusão: O mundo está mais repleto de idiotas do que eu imaginei! Sim, porque só sendo muito idiota pra pagar por uma porcaria dessa, eu baixei o livro grátis na internet (e teria ficado muito p*** da vida se tivesse gastado dinheiro com isso) e estou furiosa por não ter as horas que eu perdi lendo esse livro de volta, aliás nem terminei de lê-lo parei no capitulo 21 e não sei se tenho mais forças (saco) para terminar de ler! Você resumiu bem o que essa "obra" relata, mas eu acrescentaria algumas outras coisas que não podem e não devem passar despercebidas como: A linguagem extremamente adolescente e muito pouco sensual da escritora não só nos momentos de sexo mas em todo o livro, o problema que Anastásia tem em comer e o fato de Grey obrigá-la a comer a todo instante, a tal da "deusa interior" que essa retardada possuí e os palavrões da personagem, poxa nem isso a autora soube fazer, eu juro que por esses dias se alguém perto de mim falar "merda dupla" ou "p*** merda" eu vou no pescoço da pessoa!

    Enfim esse livro é uma sucessão de erros além de ser claro totalmente inverossímil!

    Rennata

    ResponderExcluir
  2. Livro brochante! Li esse e com toda CERTEZA DO MUNDO não lerei os outros dois.

    Desde quando levar uns tapinhas e ter os pulsos amarrados com uma gravata é BDSM? Até a parte de sadomasoquismo do livro Onze Minutos do Paulo Coelho é mais BDSM do que esse livreco inteiro!

    Cláudia

    ResponderExcluir
  3. Sob meu ponto de vista O LIVRO DE ROMANCE ERÓTICO NÃO TEM NADA: O livro fala de um homem, que tem aparência de perfeito, mas que se tornou um "monstro" em sua sexualidade por ter sido violentado quando criança. Ao invés do Sr. lindo virar um pedófilo e fazer com outras crianças o que fizeram com ele, ele se tornou um sado, pois na cabeça "dele" a única forma de vencer seus traumas é "humilhando, torturando, causando dor em alguém". Quanto à Anastácia, ela não é uma jovem virgem que se apaixona por um cara rico que pode lhe proporcionar tudo. Ela é simplesmente uma garota comum, como nós, que conhecemos alguém que faz nosso corpo tremer mas que ela julga ser superior a ela, sempre se perguntando: o que ele viu em mim? (quem nunca pensou isso???). Ela não está interessada no dinheiro, pois a todo instante ela se sente constrangida pelos presente. Ela simplesmente se apaixonou. E ela sofre por saber que a relação "não tem futuro", que não sairá dali nada de bom, mas insiste porque "ama" e quer pelo menos tentar, tentar e mostrar para si mesma que é capaz de mudá-lo, de curá-lo. Quem de nós nunca passou por isso? quantas de nós já sabíamos desde o princípio que uma relação não iria ser boa mas por teimosia optou-se por continuar? (ou para provarmos para nós e para os outros que somos capazes) e a todo instante, por estarmos "cegas de amor", nos deixamos maltratar, humilhar, torturar, ser violentada, estuprada (assista o filme DOG VILLE), no sentido de termos que passar por situações não desejadas só para querer agradar o parceiro. O que seria mais humilhante? ser amordaçada porque assinei um contrato sexual e deixar ser chicoteada ou ser traída por meumarido na minha própria casa com minha melhor amiga? ou o que é mais humilhante, seu amor dizer que te ama e depois dizer para os amigos que só está com vc pq vc é boa de cama? e assim sucessivamente. Certamente, já nos envolvemos com canalhas, já nos iludimos com frases do tipo: Ele não quer assumir um relacionamento sério comigo porque ele já foi traído no passado. Mera desculpa. Igual a do livro. A Anástácia tenta justificar as ações do lindo por tudo que ele passou no passado...mera coincidência se já tivermos passado por isso em alguma situação...

    ResponderExcluir
  4. Esse livro não passa de descrições de fantasias eróticas de uma adolescente. EU podia ter escrito esse livro aos 17 anos! O problema é que me entediaria desenvolvendo o resto da história!!!!

    ResponderExcluir
  5. É muito normal (pelo menos pra mim) conhecer meninas com 19, 20 e 21 anos que ainda são virgens, praticamente 'bv' e encontrar alguém "viciado em sexo" e as deixarem desse jeito. O livro tem suas partes ruins sim, suas partes enjoadas sim... Mas também tem suas partes boas. É LOGICO que existem livros muito melhores, muito mais picantes, mas este também é muito bom e recomendo para qualquer amiga minha, pois em partes, me vejo como Anastsia.

    ResponderExcluir
  6. Campanha leia literatura brasileira
    Tive a idéia de fazer esta campanha ao notar que grande parte dos debates de blogs, canais virtuais, e site giram em torno de livros estrangeiros. Por favor visite o meu blog: http://grandesmestresdaliteratura.blogspot.com.br/2013/04/campanha-leia-literatura-brasileira.html

    ResponderExcluir
  7. Perdão para alguns comentários, mas o protagonista nunca foi pedófilo, ao contrario, ele sofreu esse abuso pela melhor amiga da família que tinha idade da mãe dele e foi ela que iniciou ele no mundo do sadismo e masoquismo.
    Achei o livro interessante e realmente não vi erotismo nele, o que vi e me motivou a ler a Trilogia foi o lado psicologico que a autora trata no livro.
    O que faz uma garota se submeter a tamanha humilhação se ela não gosta de ser espancada?
    O que pode levar uma pessoa a botar para fora suas maiores obscuridades, como é o caso do protagonista, e ainda conseguir mostrar seu lado humano?
    Tentar listar os INÚMEROS transtornos que ele possui foi interessante e ver como uma história bem contada pode tirar do livro o estigma de erótico foi muito mais interessante.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tbm gostei e num achei nada de erotico e sim uma historia bonita que as pessoas teriam quer ler todos pra conseguir ver isso , li os tres em duas semanas

      Excluir
  8. Antonio, vc não entendeu a crítica acima, rssrrsrsrsrsrs

    ResponderExcluir
  9. Eu acabei tendo a curiosidade de ler toda a trilogia, ainda não terminei o último livro, mas logo termino. Sinceramente, o livro mostra um ideal feminino, por trás da máscara de uma história de homem traumatizado com suas preferências estranhas, etc.
    A imagem que me fica, implícita, para o público feminino qu gosta deste livro, é que o homem deve ser perfeito em todos os sentidos: lindo, alto, bem dotado, muscoloso, muito rico, dar presentes caros e compartilhar sua fortuna por sem nenhum questionamento, além de ser um Magyver (bem sucedido com sua empresa, sabe lutar, pilotar, entende de barcos e mais uma centena de coisas que nem consigo me lembrar agora). Se um homem possuir essas...qualidades, pode até se dar ao luxo de ser complicado e arrogante...
    Livro totalmente voltado aos gostos complicados femininos, de leitura enjoativa em muitos pontos para os homens. Sem falar que aguentar a narração em primeira pessoa cheia de frescuras da Anastacia, é dífícil (minha deusa interior faz isso, faz aquilo...meu cinquenta tons...e outras bobagens).

    ResponderExcluir
  10. kkkkkk... Verdade Fale Comigo, eu acabei lendo errado. Mas de qualquer forma, o livro continua sendo interessante. E, realmente, os livros foram feitos para as mulheres, sendo que todas gostariam de ser Anastácias e não Leilas na vida de um homem como ele... kkkkk

    ResponderExcluir
  11. Os livros são bom de mais !!!

    ResponderExcluir
  12. Melada d+!!!
    A tal Ana é uma chatinha mimada, o experiente Grey acaba fazendo todas as vontades dela. Tá longe de ser um dominador! Fala Sério!
    A autora deturpa o BDSM.
    Estou no segundo livro, quero ler tudo, mas estou frustada com a história boba, quase crepúsculo.. aff

    ResponderExcluir