terça-feira, 11 de junho de 2013

CRÍTICA DO FILME 'ODEIO O DIA DOS NAMORADOS'

Mais uma comédia nacional com o selo do campeão de bilheteria Roberto Santucci, 'Odeio o Dia dos Namorados' chega aos cinemas para ser a opção para... O dia dos namorados. Estrelado por Heloísa Perissé, a comédia promete render a mesma bilheteria de 'Até Que a Sorte Nos Separe' e 'De Pernas Pro Ar 1 e 2', super sucessos de Santucci. Confira a crítica do Outros 300 acerca do filme.

Odeio o Dia dos Namorados

A fórmula mágica do sucesso
Santucci aposta no convencional preocupado com a bilheteria

Quando foi designado para dirigir 'De Pernas Pro Ar' Roberto Santucci sabia que poderia ir do céu ao inferno, afinal estávamos até então sob reinado quase absoluto dos "Mazzeos movies de comédia". Mas o filme estrelado por Ingrid Guimarães fez grande sucesso e mandou bem na bilheteria. Tanto que Santucci filmou a continuação do filme e ainda fez um 'De Pernas...' masculino: O 'Até Que a Sorte Nos Separe', todos, também, com boa bilheteria.

Para evitar mexer em time que está ganhando o diretor, e seu fiel escudeiro o roteirista Paulo Cursino, costuraram um filme igualmente simples e pop, assim como 'De Pernas...'. Trocou-se Guimarães e entrou em campo Perissé. 

Odeio o Dia dos Namorados - Foto

A trama

O filme narra a saga da chata Débora (Heloísa Périssé), figura que não perdoa quem vê pela frente. De olho única e exclusivamente na carreira, ela passa por cima de todos aqueles que a cercam com um intenso mal humor – que, obviamente, traz consequências indesejadas. 

Entretanto, não é este seu maior problema – na verdade ela nem considera um problema, pois pouco se importa com o outro. Débora precisa criar uma nova campanha publicitária que tenha por base o amor, este mesmo sentimento que tanto ridiculariza. Para piorar ainda mais, a negociação será feita com Heitor (Daniel Boaventura), um ex-namorado que foi humilhado por ela no passado. Ou seja, cheiro de desastre no ar. 

Contudo um incidente faz com que Débora tenha que ver o que as pessoas acham a seu respeito sem que eles a vejam. Para isto ele conta com o auxílio do anjo Gilberto (Marcelo Saback), enviado para tentar consertar e modificar a turrona publicitária.

Odeio o Dia dos Namorados

Dickens... É você?

Uma pessoa de índole duvidosa, sem que seja vista, vê, com o auxílio de anjos, o que as pessoas pensam dela e, a partir daí muda sua forma de ver a si próprio e a vida. Parece familiar não é?

E é! Trata-se de “A Christmas Carol”, de Charles Dickens, ma das histórias mais conhecidas de todos os tempos. Você de repente pode até não reconhecê-la pelo título original, mas provavelmente já viu alguma de suas adaptações no cinema, como 'Os Fantasmas Contra-atacam' ou 'Os Fantasmas de Scrooge'. Trata-se da clássica saga de um homem de mal com a vida e sem amigos que recebe a visita de três fantasmas, que o acompanham em comemorações de Natal ocorridas no passado, no presente e no futuro. A partir destas experiências, ele revê seus conceitos e seu modo de vida.

Troca-se o Natal pelo dia dos namorados, e subtrai-se dois dos três anjos e voi lá: Cria-se o "originalíssimo" 'Odeio o Dia dos Namorados'.

Odeio o Dia dos Namorados - Foto

Crítica

Bem... É um filme mais para distrair do que rir, apesar de até conseguir em alguns momentos. Logo não espere coisas mirabolantes. É um típico filme Sessão da Tarde com um imenso jabá de uma marca de chocolate no meio.

Contudo, o filme até tem seu charme. Citações aos anos 80 são bem agradáveis, e a atuação de Marcelo Saback (apesar de caricato pra cacete) são até legais. Se são raras as piadas, pelo menos, são boas e, apesar do trailer assim sugerir, o filme não é só para meninas. garanto: A homarada também achará legal.

No mais, final pra lá de previsível, cenas em chroma key (acreditam?) e um ou outro erro técnico até grave, mas que é relevado por ser um filme de comédia. E a Heloísa Perissé... Bem... Nunca gostei dela, pois sempre acho que ela "interpreta" a si mesma (alguém mais acha aquela voz dela irritante?), e isto pode até afetar minha crítica acerca de sua atuação, admito.

Mas... Vamos lá... Bem, ela não foi bem, de novo. Artificial, caricata e, por vezes, sua atuação até atrapalhou as piadas. Mas é aquilo, é a cara conhecida do filme e talz... Dá pra passar.

O filme é um bom divertimento e se for só pra isso que você vai ao cinema, com certeza não irá se decepcionar.

Um comentário:

  1. mas... vamos lá... bem, que crítica de bosta.

    ResponderExcluir